sábado, 2 de fevereiro de 2013

A BASE NÃO DEVE SER EXCLUSÃO E SIM REEDUCAÇÃO: O CARBOIDRATO NA DIETA


O medo de não emagrecer, o medo de não chegar a meta e a dificuldade de manter o peso assombra todo mundo, ou pelo menos a maioria nessa  luta contra o peso,  porém a cirurgia é um passo grande demais  pra nós ficarmos arriscando muita coisa em termos alimentares por exemplo.

O acompanhamento nutricional é o ponto chave nesse processo, então não vale ficar cortando da  dieta sem orientação porque ao invés de um bem, de ajudar no processo, na verdade podemos está nos boicotando.

Muita gente acha que para emagrecer tem que cortar o carboidrato, só que não é bem por ai. O carbo não é o único vilão, não é o bicho papão conforme havia comentado em outro post  (http://depoisdagastroplastia2.blogspot.com.br/2012/06/importancia-do-carboidrato-na-dieta.html)

Apesar de em algumas situações, prioritariamente orientada, o carbo ser cortado para dar um choque no organismo ou muito reduzido ele simplesmente não pode ser abolido de modo total de nossas vidas.

Vejam só as desvantagens de dietas que abolem o carboidrato:

1- os carboidratos são fornecedores de glicose que é fundamental para as células,na falta dele o organismo vai atrás não da gordura como se pensa, mas da massa magra como fonte de energia,então no caso dos gastroplac por exemplo, principalmente nos primeiros meses em que a alimentação é muito restrita toda atenção ao que se  come é pouco.

2-com a baixa ingestão do carboidrato e o efeito de diminuir a glicose consequentemente há um aumento na formação de corpos cetônicos no organismo que tem como lado bom dar saciedade,porém seu excesso faz com que o organismo recorra ao cálcio para diminuir a acidez no sangue o que por sua vez deixa os ossos fragilizados propensos a osteoporose por exemplo.

3- Normalmente corta-se o carbo e aumenta-se a ingestão de proteína, o que sobrecarrega os rins.

4- O coração também sente muito o efeito de uma dieta superprotéica com baixo ou sem carboidrato pois aumentado o consumo de carne aumenta o consumo de ferro e lipidios que são ganchos para doenças cardiovasculares.

Resumindo:  seja gastroplastizado ou não o ideal não é abolir um determinado alimento ou nutriente do seu prato, mas buscar o equilíbrio alimentar.

Fazer refeições bem balanceadas, em horários regulares, não pular refeições, ingerir água suficiente ao longo  do dia, se  movimentar são algumas atitudes que ajudam muito a se manter no caminho certo.


Fonte: revista Saúde

2 comentários:

  1. Nossa, adorei saber de tudo isso!!! Não é a toa que a nutricionista monta um cardápio com de tudo um pouquinho né... Bjos :) Boa Semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A nutricionista é uma parte fundamental em todo o processo

      Excluir

Participe, deixe seu recado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...